16ª Jornada CN 1ª Divisão CRAV – 39 vs Caldas RC -19

Grande 1ªparte Pelicana não chega para vencer

16ª Jornada do CN 1ª Divisão CRAV vs Caldas RC

Excelentes instalações para a prática do Rugby no coração do Minho. Parabéns CRAV por tudo o que continuam a fazer pela nossa modalidade.

Dia de Primavera, algum vento, condições ideais para proporcionar mais um bom jogo na Primeirona.

O CRAV apresentou-se com uma equipa em crescendo – a inclusão do centro Argentino Germán Nicolás veio trazer qualidade à equipa Minhota, o Caldas RC viajou confiante do percurso que tem vindo a ter nesta época de retoma do Clube Pelicano.

E o jogo correspondeu às expectativas. Disputado, com momentos de bom Rugby, com luta intensa, mas leal, e com um final como é apanágio do Rugby, as equipas a confraternizar. Uma palavra de grande agradecimento à calorosa receção Minhota.

A partida iniciou-se logo com um ensaio, transformado para a equipa da casa. Decisão controversa da arbitragem, ao penalizar um pontapé a seguir do arrier Caldense, jogada à touche. O alinhamento foi bem contrariado, mas um ressalto da oval proporcionou um fácil toque de meta.

Não se impressionaram os Pelicanos e iniciaram, a partir daqui, uma 1ª parte de domínio total.
Aos 5 minutos beneficiaram de uma penalidade tentada aos postes pelo jovem Tomas Lamboglia, ainda sub-18, mas sem êxito.

Continuou o Caldas com o seu Rugby, a privilegiar o jogo à mão a partir de plataformas de fixação dos seus avançados.
Aos 10 minutos, nova penalidade conquistada já nos10 metros do CRAV. E desta vez o médio de abertura Pelicano não falhou. CRAV – 7 / Caldas RC – 3.

Confiantes, os Pelicanos prosseguiram na mesma toda e, aos 18 minutos, novo ensejo de pontuar, e de novo “Tommy” Lamboglia, irrepreensível, a transformar uma penalidade.

1º Quarto: CRAV – 7 / Caldas RC – 6.

Domínio do Rugby académico Pelicano. Jogo interessante.

Acreditando os Caldenses lançaram-se nos 22 metros Arcuenses. Fases sucessivas de ataque, a partir de conquistas nas fases estáticas, fixação de plataformas de avançados, lançamento das linhas atrasadas, o Rugby como os tradicionalistas gostam de ver.

Defendia muito forte o CRAV, e só recurso à falta ia impedindo o adivinhado toque de meta. E aos 25 minutos, nova penalidade e concretização exemplar do médio de abertura Caldense, colocando a sua equipa na frente do marcador.

E não pararam os Pelicanos.

Conquistando as várias fases estáticas do jogo, continuaram a pressionar a linha defensiva Arcuense e, aos 38 minutos, já numa fase com o seu 1º centro Jonathan “Nilas” Nolan diminuído fisicamente – entorse, após conquista de formação ordenada, entrada decidida do jovem 2º centro Tomás Jacinto, outro sub-18, e toque de meta da possante 2ª linha Cristiano Manuel.

Procurou reagir o CRAV e acabou por beneficiar de uma tentativa de penalidade aos postes, aos 40 + 3 minutos, contudo desperdiçada.

Ao Intervalo: CRAV – 7 / Caldas RC – 14.

Excelente primeira parte dos Pelicanos, pacientes nas fases de jogo ofensivas, boa resposta defensiva dos Arcuenses, contudo sem conseguirem jogar no meio-campo adversário. Adivinhava-se uma etapa complementar intensa. Contudo o Caldas RC perdia, por lesão, o seu experiente 1º centro Jonathan Nolan, pivot decisivo de todo o jogo Pelicano, e teria que responder a esta contrariedade.

A segunda parte iniciou-se com o CRAV a pressionar. E logo na primeira jogada, penalidade cometida pelos Caldense, bem transformada aos postes.

Fortes no jogo do solo, os Arcuenses continuaram a tentar ultrapassar a linha defensiva Pelicana, que ia defendendo acabando por cometer nova penalidade, aos 51 minutos, de novo bem transformada pelo arrie da casa.

O Caldas procurou reagir e aos 54 minutos, tentou a transformação aos postes de penalidade cometida pelo CRAV a meio-campo. O pontapé, contudo, ficou curto.

Os minutos seguintes foram de tentativa dos Pelicanos de jogarem à mão, mas a defesa Arcuense esteve sólida.

3º Quarto: CRAV – 13 / Caldas RC – 14.

Acentuava-se a pressão da equipa da casa, antevia-se uma fase final difícil para os visitantes.

Aos 61 minutos, o CRAV conquistou nova penalidade no jogo no solo, jogada à touche, conquistada e seguida de penetração poderosa pelo centro, concluída com ensaio entre os postes, facilmente transformado.

Na continuação, o CRAV tornou a pontuar aos 64 minutos. Um ressalto na tentativa de pontapé tático do médio de abertura Pelicano acabou por pressionar um ensaio fácil, e respetiva transformação. CRAV – 27 / Caldas RC – 14.

Com o resultado resolvido, a partida passou a ser pautada pelas tentativas do CRAV em alargar o marcador e pela procura do Caldas RC em repor uma diferença mínima.

Uma hipótese de ensaio, após pontapé a seguir por parte da ¾ ponta Caldense Diogo Vasconcelos, foi decidida pelo árbitro lateral como toque defensivo.

Logo de seguida o CRAV beneficiou, aos 72 minutos, de jogada semelhante, na sequência de conquista no alinhamento, moule e várias fases de tentativa de penetração pelo centro, foi decidida, pelo outro árbitro lateral, como toque de meta Arcuense. CRAV – 32 Caldas RC -14.

Com o orgulho ferido, os Pelicanos responderam e, após conquistas em formações ordenadas concluíram, aos 77 minutos, uma boa jogada de avançados com novo ensaio pelo 2ª linha Cristiano Manuel.

Com o ponto bónus comprometido o CRAV foi com tudo e, já na bola de jogo, beneficiou de um mau controle da oval após formação ordenada conquistada pelos Pelicanos e, em contra ataque acabou por obter um 5º toque de meta, entre os postes, facilmente transformado.

Resultado Final: CRAV – 39 (5 E, 4 T, 2 P) / Caldas RC – 19 (2 E, 3 P).

Duas partes distintas. Domínio Caldense na 1ª parte, resposta poderosa dos Arcuenses na 2ª parte.

Vitória justa da equipa mais adulta e experiente, resposta com momentos de muito bom Rugby da equipa mais jovem. Aceitava-se um resultado menos desnivelado pelo que as duas equipas produziram.

Arbitragem de José Luis Vareta, auxiliado por Herculano Guimarães e Carlos Lourenço.

O CRC alinhou:
Luis Gaspar, David Esteves, Rui Santos, Cristiano Manuel, Bruno Martins, Leonardo Ferreira, Ricardo Marques (Cap.), Nika Charkviani, Salvador Cambournac, Tomás Lamboglia, Diogo Vasconcelos, Jonathan Nolan, Tomas Jacinto, Filipe Gil, Gonçalo Silva, Filipe Nobre, Francisco Fraga, Gonçalo Sampaio, Filipe Gil, Mateus Neves, Cristóvão Monteiro.

Treinador: Patricio Lamboglia
Fisioterapeuta: João Raimundo/Physioclem
Diretor Equipa: António Ferreira Marques

A equipa do Caldas Rugby Clube deslocou-se em autocarro da CMCR. Os nossos agradecimentos a Jorge Duarte e Paulo Santana.

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha, e aos nossos patrocinadores:

Partilhar...Share on Facebook
Facebook