“Play-Off” CN 1ª Divisão RCM Bairrada – 22 vs Caldas RC – 7

Pelicanos derrotados na luta pelo acesso à ½ final
Play-Off do CN 1ª Divisão CRM Bairrada vs Caldas RC

Duas equipas confiantes e disponíveis para darem tudo para conseguirem um lugar nas1/2 finais da Primeirona.
Os Bairradinos com uma primeira época de grande desempenho, nesta divisão, e determinados a manter a invencibilidade, que já vai para mais de dois anos, no seu magnifico complexo de Rugby, cada vez mais melhorado.

Os Pelicanos dispostos a mostrar a qualidade do seu Rugby e que os recentes resultados muito nivelados com as equipas do top 5 desta Divisão não são resultado do acaso.

Bastante público, tempo encoberto mas sem chuva e sem vento. Pitch em bom estado, trio de arbitragem experiente – situação muito rara nesta divisão uma equipa de arbitragem completa, tudo se proporcionava para uma tarde de Rugby.

E a partida correspondeu. Se não muito bem jogada ao longo de todo o tempo de jogo, foi muito disputada por ambas as equipas, bem dirigida pelo trio de arbitragem, disciplinada e concluída com um convívio de amizade entre jogadores e equipas técnicas e dirigentes que deixaram tudo no campo, mas se respeitam no trabalho que desenvolvem em prol desta modalidade de excelência.

1º Quarto: CRM Bairrada – 0 / Caldas RC – 7.

Entrou melhor o Caldas, a dominar, instalado no meio-campo Bairradino, a explorar o seu jogo mais “académico”, plataformas de avançados a partir de conquistas nas fases estáticas e a lançar as linhas atrasadas. Respondeu o Bairrada com defesa fortíssima, agressiva e com grande espírito de entreajuda, procurando a resposta rápida a partir de pontapés táticos.

Aos 19 minutos o melhor jogo Pelicano foi recompensado com um ensaio pelo centro Jonathan “Nilas” Nolan, irrepreensivelmente transformado pelo médio de abertura, e habitual chutador, “Tommy” Lamboglia.

Respondeu como lhe competia o Bairrada e numa rápida jogada de contra-ataque obteve, aos 22 minutos um toque de meta, após perda de bola Caldense na sequência de conquista de alinhamento, erro técnico que se repetiu mais vezes na partida, e que talvez explique, em parte o resultado final.

A partida prosseguiu equilibrada, nos moldes já descritos, mas com os Bairradinos mais pressionantes nas formações espontâneas, a conquistarem algumas penalidades, que, tentadas aos postes não resultaram.

Contudo, na bola de jogo, e na sequência de mais uma penalidade à touche, um moule forte e eficaz resultou no segundo ensaio.

Ao Intervalo: RC Bairrada – 10 / Caldas RC – 7.

A segunda parte, ainda que ambas as equipas mantivessem as características essenciais do seu jogo, mostrou um Bairrada mais determinado, mais rápido e coordenado nas suas jogadas de contra-ataque, ao mesmo tempo que o Caldas ia perdendo a sua confiança, face à continuada defesa inultrapassável dos Bairradinos e alguns erros técnicos na fase final de algumas jogadas de ataque continuado.

Aos 57 minutos e a concluir mais um contra-ataque exemplarmente conduzido, o Bairrada chegou ao terceiro toque de meta. Apenas a menor eficácia do seu chutador ia mantendo o marcador à distância de uma recuperação Pelicana.
3º Quarto: RCM Bairrada – 15 / Caldas RC – 7.

Com o resultado ainda em aberto o Caldas procurou, com tudo, inverter o marcador. E honra seja feita aos Pelicanos que se instalaram nos 22 metros adversários e por diversas vezes, fosse por tentativa aos postes ingloriamente desperdiçada, fosse por fases sucessivas dos seus avançados e dos seus centros, entretanto refrescados com o sempre eterno Pedro “Boi” Madaleno, procuraram concretizar em pontos o seu domínio territorial.

Respondeu com a sua atitude o Bairrada, e foi contrariando todas as chances Caldenses. E já no final do encontro, foi premiado com um quarto toque de meta a concluir mais uma interceção, este transformado.

Ainda tentou o Caldas, com o brio que é apanágio de uma verdadeira Equipa de Rugby mais um ensaio, mas respondeu com o mesmo brio o Bairrada. O Rugby saiu respeitado pelas três equipas.

Resultado Final: RCM Bairrada – 22 (4 E, 1 T) / Caldas RC – 7 (1 E, 1 T).

Resultado justo a premiar a equipa que mais quis ganhar. Muito unidos, guerreiros a defender e bem dirigidos no terreno de jogo pelo jogador/treinador Rui Rodrigues os Beirões, também pela grande época, merecem o lugar na ½ final.

Resposta digna e a dar tudo dos Pelicanos, que, mais uma vez mostraram os eu Rugby, disputando todas as partidas para vencer. O resultado da época, acima das espectativas iniciais, dão confiança para o futuro próximo.
Uma última palavra, já várias vezes repetidas nestas crónicas. O Rugby da Primeirona tem nível e recomenda-se. Torna-se necessário que os dirigentes máximos da modalidade passem a ter olhos para os Clubes, que por todo o País, trabalham com qualidade e resultados.

Arbitragem competente, de João Costa, auxiliado por Miguel Sousa e Joaquim Castanheira.

O CRC alinhou:

Luis Gaspar, David Esteves, Rui Santos, Cristiano Manuel, Bruno Martins, Nika Charkviani, Ricardo Marques (Cap.), Giorgi Turabelidze, Salvador Cambournac, Tomás Lamboglia, Diogo Vasconcelos, Jonathan Nolan, Tomas Jacinto, Filipe Gil, Gonçalo Silva, Filipe Nobre, Leonardo Ferreira, Gonçalo Sampaio, Mateus Neves, Cristóvão Monteiro, Pedro Madaleno.

Treinador: Patricio Lamboglia
Fisioterapeuta: Rodrigo Santos/Physioclem
Diretor Equipa: Adelino Jacinto

A equipa Pelicana foi acompanhada pelo Presidente da CA, Eduardo Pecegueiro e ainda por membros da CA e CF do clube Caldense.

A equipa do Caldas Rugby Clube deslocou-se em carrinhas gentilmente cedidas pelo nosso patrocinador TransWhite.

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha, e aos nossos patrocinadores:

Partilhar...Share on Facebook