5ª Jornada CN2 Caldas RC – 24 (2 E, 1 T, 4 P) vs CR Técnico – 23 (3 E, 1 T, 2 P)

 

5ª Jornada CN2 Seniores

Vitória do Caldas RC sobre o CR Técnico mantém os Pelicanos no 2º lugar do Campeonato

 

A bancada composta com muitos sócios e simpatizantes do Caldas RC assistiu, numa tarde de Outono, a uma partida muito disputada, dirigida com competência pelo árbitro internacional Afonso Nogueira e com fases de bom Rugby. No final uma excelente vitória dos Pelicanos sobre uns Engenheiros reforçados.

 

À procura de recuperar na tabela classificativa, e aproveitando a interrupção no Campeonato da CN1, o Técnico vinha à procura da vitória, reforçando o seu XV com vários jogadores da primeira equipa. O Caldas RC, motivado pelos resultados que tem vindo a obter viu, neste jogo, a oportunidade para testar o seu Rugby contra uma formação que se apresentava como superior.

 

Entrou o Técnico muito forte. Jogando rápido a partir dos seus avançados, muito poderosos em especial a 3ª linha com dois jogadores estrangeiros, pressionaram a linha de defesa dos visitados.

 

Respondeu desde o primeiro minuto o Caldas com coragem, disponibilidade para o jogo e uma defesa coriácea. E este foi um elemento decisivo na partida. Só consegue triunfar quem acredita!

 

Os primeiros 10 minutos foram dos Engenheiros. Uma penalidade transformada aos 5 minutos e um ensaio, transformado, no final deste período, após penetração pelo centro dos avançados, deram uma vantagem aos Engenheiros.

 

Respondeu com personalidade o Caldas. Assentando o seu jogo, comandado pelo par de médios Salvador Cambournac e “Tommy” Lamboglia, a partir de plataformas de avançados e jogo, à mão, chamando a linha de ¾, os Pelicanos foram criando dificuldades à defesa adversária e provocando penalidades.

 

O aproveitamento destas situações, aos 15 e 18 minutos, pelo pé certeiro do “fly half” “Tommy” Lamboglia foi colocando o resultado equilibrado.

 

1º Quarto: Caldas RC – 6 / RC Técnico – 10.

 

O domínio Pelicano, assente no seu Rugby de bom recorte técnico, foi-se prolongando, e aos 27 minutos, nova transformação de uma penalidade por “Tommy” Lamboglia colocou o resultado na diferença mínima: Caldas RC – 9 / RC Técnico – 10,

Alertados os Engenheiros reagiram, impondo o seu poderoso pack de avançados. Uma penalidade bem transformada, aos 32 min., premiou esta fase.

 

Respondeu o Caldas, instalando o jogo nos 22 metros adversários e, conquistando nova penalidade, aos 40 minutos, de novo exemplarmente transformada aos postes por “Tommy” Lamboglia, recolocou a diferença mínima.

 

Ao intervalo: Caldas RC – 12 (4 P) / CR Técnico – 13 (1 E, 1 T, 2 P)

 

Jogo equilibrado, tudo em aberto para a segunda parte, com o Caldas a jogar a favor do vento. Seria que a lógica da vitória da equipa mais poderosa poderia ser contrariada?

 

A segunda metade iniciou-se tal como a primeira. Rápidos, poderosos nos avançados os Engenheiros pressionaram a linha de defesa dos Pelicanos, que, com a coragem que é seu apanágio, defenderam com tudo.

 

Mas o maior poder do Técnico, nesta fase a jogar apenascom14, fruto de um amarelo por atitude indisciplinada no final da primeira parte, acabou premiado aos 48 minutos com um toque de meta, após conquista de alinhamento e um “moule” imparável.

 

Mas o Caldas, confiante nas suas capacidades respondeu com o seu Rugby, colocando o jogo nos 22 metros adversários a partir de conquistas de avançados e pontapés cirúrgicos do médio de abertura. Aos 58 minutos, uma conquista na formação ordenada já no meio campo dos Engenheiros, foi jogada à mão até à entrada da linha de meta e concretizada pelo talonador Ricardo rei, a partir da última plataforma de avançados. Diferença mínima resposta.

 

3º Quarto: Caldas RC – 17 / RC Técnico – 18.

 

Adivinhava-se um final de jogo intenso, com ambas as equipas empenhadas em vencer.

 

O Técnico sentiu o perigo e respondeu de imediato e após várias fases de avançados após má receção Pelicana no recomeço criou uma boa situação de ensaio, concretizada aos 61 minutos. Caldas RC – 17 / CR Técnico – 23.

 

Patricio Lamboglia, treinador do Caldas respondeu com uma alteração tética que se viria a revelar determinante. Trocando o rápido “arrie” Diogo Vasconcelos para a ponta, procurou, a partir dos pontapés táticos cirúrgicos do médio de abertura “Tommy” Lamboglia criar situações de finalização.

 

E nem a suspensão temporária aos 67 minutos, amarelo por placagem perigosa do médio de formação Pelicano, impediu o Caldas de liderar, definitivamente, o encontro. O jovem ”Alex” Vieira, ainda com idade de sub-18, assumiu a posição e, com personalidade conduziu o jogo da equipa da casa.

 

Aos 77 minutos, talvez na melhor jogada de todo o encontro aconteceu o ensaio que resolveria a partida. Varias conquistas em alinhamentos, à entrada dos 22 metros dos Engenheiros, após tentativas de lançar a ponta, a última jogada à mão e a toda a largura do campo, excelente intervenção do pilar “Ruizinho” Santos, posicionado onde devia e decidindo com o princípio de Rugby que se exigia na situação, e entrada clinica do centro Tomás Jacinto, junto à bandeirola do canto.

 

O pontapé de transformação, que daria a vitória, adivinhava-se extraordinariamente difícil. Mas o pé direito de “Tommy” Lamboglia esteve à altura, fazendo explodir os “supporters” Pelicanos nas bancadas.

 

Até final, ainda tentaram os Engenheiros, mas o ânimo Caldense não permitiu qualquer veleidade.

 

Resultado Final: Caldas RC – 24 (2 E, 1 T, 4 P) / CR Técnico – 23 (3 E, 1T, 2P).

 

Vitória apertada, mas inteiramente merecida da equipada casa.

 

Partida muito disputada e equilibrada, bem arbitrada o que permitiu que o Rugby se exprimisse. Seria bom que todos os jogos do CN2 se disputassem com este enquadramento. O Rugby sairia a ganhar, já que se demonstrou, mais uma vez que este campeonato tem equipas que jogam com qualidade.

 

O aplauso final do público Caldense foi o justo prémio para o magnífico triunfo Pelicano.

 

Alinharam pelo Caldas RC: Alexandre Vieira, Cristiano Manuel, Daniel Oliveira, Diogo Vasconcelos, Dorin Plameadala, Duarte Jasmins, Filipe Gil, Gonçalo Sampaio, Gustavo Moura, Luis Gaspar, Miguel Freitas, Morgan Coic, Ricardo Marques, Ricardo Rei (1 E), Rui Santos, Salvador Cambournac, Sebastião Vasconcelos, Tiago Santos, Tomás Jacinto (1 E), Tomás Lamboglia (Cap.) (1 T, 4 P), Tomás Melo.

Treinador: Patrício Lamboglia

Treinador Adjunto: Guilherme Neves

Diretor de Equipa: António Ferreira Marques

Delegado ao Jogo: Adelino Jacinto

Fisioterapeuta: Érica Balseiro/Physioclem

 

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha e aos nossos patrocinadores.

Partilhar...Share on Facebook