9ª Jornada CN2 CRAV – 33 (% E, 4 T) vs Caldas RC – 12 (2 E, 1 T)

 

 

9ª Jornada CN2 Seniores

Caldas RC perde em Arcos de Valdevez

 

Derrota natural dos Pelicanos frente ao CRAV, sem dúvida a melhor equipa do CN2.

 

Mais uma longa deslocação ao Norte e, desta feita, para defrontar o principal favorito a conquistar o título.

Com várias limitações no plantel, lesões ainda não recuperadas e ausências por motivos pessoais, o Caldas RC apresentou-se com apenas17 jogadores, mas disponível para jogar o seu Rugby.

 

O CRAV, a jogar no seu terreno e sabendo que uma vitória lhe permitiria ultrapassar o seu adversário na tabela classificativa apresentou-se na máxima força, com uma formação onde pontificam dois jogadores Argentinos de muito bom nível.

 

Num excelente tempo de Inverno, com vento ligeiro, a partida teve lugar no campo principal do Estádio Municipal, em sintético renovado, por indisponibilidade do relvado habitual, em recuperação.

 

Entrada fortíssima dos Arcozenses, jogando rápido e a partir dos seus avançados, muito poderosos. Não conseguiram responder os Pelicanos, pouco agressivos a defender e lentos a desenvolver as habituais jogadas de ataque.

 

Não surpreendeu que aos 20 minutos o resultado apresentasse uma diferença merecida para a equipa da casa, fruto de 4 ensaios e 3 transformações.

 

1º Quarto: CRAV – 26 / Caldas RC – 0.

 

Tentaram reagir os Pelicanos e equilibraram de certo modo a partida, tendo chegado ao ensaio, aos 28 minutos, pelo ponta Tomás Melo a concluir a primeira jogada conseguida à mão. Transformação irrepreensível de Tommy Lamboglia.

 

Quando se esperava a continuação da reação Caldense, a lesão do médio de abertura Tommy Lamboglia, principal e habitual condutor do jogo Pelicano, criou um desequilíbrio natural no desempenho dos Pelicanos.

 

Ao intervalo: CRAV – 26 (4 E, 3 T) / Caldas RC – 7 (1 E, 1 T).

 

Partida decidida, restava ao Caldas dignificar a sua prestação.

 

E, na segunda parte, assistiu-se a uma prestação mais de acordo com o que Pelicanos têm vindo a mostrar. O natural abrandamento do CRAV também terá contribuído para o equilíbrio que se registou.

 

Aos 52 minutos e no corolário de uma boa fase de conquistas nos alinhamentos e formações ordenadas o Caldas chegou ao ensaio pelo 2ª linha Cristiano Manuel.

 

3º Quarto: Guimarães CRAV – 26 / Caldas RC – 12.

 

Aos 62 minutos o resultado ficou fechado. O CRAV jogou rápido à mão uma penalidade e concretizou facilmente.

 

Os Pelicanos nunca desistem. E a equipa Caldense, mesmo sem jogar bem continuou à procura de voltar a pontuar.

 

Até Por diversas vezes o toque de meta esteve à vista. Contudo alguma precipitação na conclusão de várias fases de avançados e a defesa muito capaz dos Arcozenses foram negando o prémio que se mereceria.

 

Resultado Final: CRAV – 33 (5 E, 4 T) / Caldas RC – 12 (2 E, 1 T).

 

Vitória justa da Equipa mais forte e que decidiu no primeiro quarto.

 

Resposta com alma, mas insuficiente, do Caldas.

 

Arbitragem sem mácula de Bruno Caldeira.

 

Uma palavra final para a receção sempre calorosa dos Minhotos. O Rugby em Portugal tem dignos representantes.

 

Alinharam pelo Caldas RC: Alexandre Vieira, Bruno Silva, Cristiano Manuel (1 E), Diogo Vasconcelos, Duarte Jasmins, Filipe Gil, Gonçalo Sampaio, Leonardo Ferreira, Luis Gaspar, Ricardo Marques (Cap.), Rui Santos, Salvador Cambournac, Sebastião Vasconcelos, Tiago Santos, Tomás Jacinto, Tomás Lamboglia (1T), Tomás Melo (1 E).

Treinador: Patrício Lamboglia

Diretores de Equipa: Adelino Jacinto e António Ferreira Marques

Fisioterapeuta: Erica Balseiro/Physioclem

 

A Equipa Caldense deslocou-se em autocarro da CMCR. O obrigado a Jorge Duarte pela sempre segura condução.

 

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha e aos nossos patrocinadores.

 

Partilhar...Share on Facebook