14ª Jornada CN2 CR Técnico – 20 (2E, 2T, 2P) vs Caldas RC – 21 (2E, 1T, 3P)

14ª Jornada CN2 Seniores

Caldas RC vence em Lisboa em jogo lutado até ao apito final.

Mais um jogo na caminhada do Caldas RC em direção a uma presença no play-off final do Campeonato Nacional 2, e de novo antecipava-se uma partida muito disputada e equilibrada.

A equipa do Técnico procurava, a jogar em casa, sair da situação difícil que tinha na tabela classificativa e, por isso mesmo apresentou a sua melhor equipa.

O Caldas RC, depois de uma derrota caseira que retirou a equipa da liderança do CN2, apresentava-se com algumas ausências. A época já longa vai fazendo alguma erosão num plantel totalmente amador.

Entrou bem o Caldas a tentar colocar o seu Rugby tradicional, privilegiando as jogadas pelas linhas atrasadas a partir de conquistas nas fases estáticas.

Mas cedo se percebeu que ia ser um jogo de embate de avançado e que quem melhor defendesse teria a vantagem.

Aos 7 minutos uma primeira oportunidade para pontuar, uma tentativa de transformação aos postes dos Engenheiros foi bem concretizada.

Continuou a pressionar a equipa da casa, mas a defesa corajosa dos Pelicanos gorou uma boa oportunidade para toque de meta.

Os forasteiros iam desperdiçando algumas tentativas por erros de manuseamento, também fruto da pressão defensiva do Técnico e só aos 19 minutos tiveram um ensejo de igualar. A penalidade tentada aos postes, após uma boa iniciativa dos ¾ Pelicanos após conquista na formação ordenada do adversário, contudo não resultou.

1º Quarto: CR Técnico – 3 / Caldas RC – 0.

Jogo equilibrado, defesas a dominar.

O segundo quarto manteve as características da partida, mas com domínio do Caldas nas suas tentativas de jogar à mão. Foi a vez de os Engenheiros responderem com defesa muito agressiva, a levar a algumas penalidades.

Aproveitou o chutador Pelicano, Tommy Lamboglia, regressado à equipa após a sua internacionalização, e aos 22 e 28 minutos transformou exemplarmente duas penalidades.

Respondeu o Técnico e a defesa Caldense teve que se empenhar.

Ao intervalo: CR Técnico – 3 (1P) / Caldas RC – 6 (2P).

Vantagem escassa do Caldas mas que premiava um Rugby mais académico. Era evidente que quem tivesse mais frescura física para aguentar disputas defensivas de grande intensidade sairia vencedor.

Entraram com tudo os Engenheiros. Mais fortes fisicamente e claramente com mais frescura procuraram através de jogadas de penetração dos seus avançados colocar a linha defensiva Pelicana sob pressão.

Mas o espírito Pelicano mostrou toda a sua raça. Defendendo nos seus 5 metros gorou as tentativas do adversário.

Um magnífico pontapé tático do médio de abertura Caldense colocou a oval nos 22 metros do Técnico. Na sequência, fases sucessivas de ataque bem conduzido pelos avançados Pelicanos, após uma conquista em alinhamento dos visitados, terminaram, aos 50 minutos, com o ensaio do sempre eterno pilar Luis Gaspar.

Foi a melhor fase do Caldas que teve aos 56 minutos nova oportunidade. Mas a penalidade tentada aos postes por Tommy Lamboglia não resultou desta vez.

Contudo, dois minutos depois, aos 58 minutos, o chutador Pelicano não falhou.

3º Quarto: CR Técnico – 3 / Caldas RC – 14.

A melhor fase do Caldas em toda a partida e vantagem merecida. Mas o desgaste evidente antevia um último quarto de grande dificuldade. A determinação e o querer dos Pelicanos seriam a chave para o resultado.

E como se esperava os Engenheiros vieram com tudo para cima dos Caldenses.

Várias fases de grande poder dos avançados foram sendo paradas mas, finalmente, aos 66 minutos o ensaio do Técnico foi inevitável. Transformação fácil e o resultado novamente em aberto.

Continuando a pressionar o Técnico reduziu aos 70 minutos com a transformação de um pontapé de penalidade. Resultado a uma diferença de um ponto.

Mas o Caldas é uma equipa de Rugby naquilo que é a sua verdadeira expressão. E respondeu jogando Rugby. Várias penalidades cometidas pelos Engenheiros, pressionados e rapidamente a oval nos 22 metros da equipa da casa.

Aos 73 minutos, conquista no alinhamento e jogada exemplar à terminou com o arrier Caldense, Claudia França a concretizar o toque de meta. Transformação de Tommy Lamboglia e a vantagem Pelicana em oito pontos.

Até ao final, o Técnico tentou tudo e respondeu o Caldas com uma defesa de grande coragem. Já nos 40 minutos a resistência Pelicana foi quebrada e o ensaio, transformado, colocou o marcador a um ponto de diferença.

Nos descontos continuou a pressão dos Engenheiros, mas um último assomo de raça dos Pelicanos gorou todas as tentativas. E, já na bola de jogo, a oval acabou colocada de novo na linha defensiva do Técnico.

Resultado Final: CR Técnico – 20 (2E, 2T, 2P) / Caldas RC – 21 (2E, 1T, 3P).

Vitória da alma e do coração dos “Pelicanos” que puseram tudo no “pitch”. Uma Equipa de Rugby é também feita de querer e de grande capacidade de sofrimento, numa união de todos os seus elementos, os que estão “entre as quatro linhas” em cada momento, os que não estão em alguns momentos, a recuperar de lesões ou por compromissos profissionais ou académicos, o Coach, a(os) Fisios, os DEs, sem esquecer a Direção que disponibiliza as condições indispensáveis.

Os “Engenheiros” deram também tudo para alcançar a vitória. Um cumprimento para a atitude de total disponibilidade e de grande desportivismo da equipa da capital, o que mais enobrece o triunfo Caldense.

Não podíamos deixar de mencionar a forte claque do Caldas que se deslocou às Olaias para apoiar a sua Equipa. Mais uma vez fez-se ouvir ao longo de toda a partida, contagiando a atitude guerreira dos seus jogadores.

Arbitragem correta de Marco Silva.

Alinharam pelo Caldas RC: Alexandre Vieira, Cláudio França (1E), David Esteves, Diogo Vasconcelos, Dorin Plameadala, Filipe Gil, Gonçalo Sampaio, Gonçalo Silva, Leonardo Ferreira, Luis Gaspar (1E), Mateus Neves, Ricardo Marques (Cap.), Rui Santos, Salvador Cambournac, Sebastião Vasconcelos, Tiago Santos, Tomás Jacinto, Tomás Lamboglia (1T, 3P).

Treinador: Patrício Lamboglia

Diretores de Equipa: Adelino Jacinto e António Ferreira Marques

Fisioterapeuta: Erica Balseiro/Physioclem

Com este resultado o Caldas RC mantém e consolida o2ºlugar na classificação geral e dá um passo decisivo para vir a garantir um lugar nos quatro finais.

A equipa do Caldas RC deslocou-se em autocarro da CMCR. O nosso obrigado a mais uma condução sempre em segurança de Jorge Duarte.

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha e aos nossos patrocinadores.

Partilhar...Share on Facebook
Facebook