18ªJornada CN2 Caldas RC – 25 (2E, 5P) vs CRAV – 21 (3E, 3T)

 

18ª Jornada CN2 Seniores

Vitória frente ao CRAV garante ½ Final nas Caldas da Rainha

Última jornada do CN2, ainda muito por decidir no que respeitava a ordenação final dos cinco primeiros e das ½ Finais, a disputar a 21/22 de Abril.

O Caldas RC dependia apenas de si para trazer a ½ final para a Cidade Termal. O CRAV, já tinha garantido a outra ½ Final no Minho, mas queria terminar a Fase Regular no primeiro lugar.

Um dia de sol, mas muto ventoso, um pitch pesado, mas bem tratado, e bancadas com muitos apoiantes da equipa da casa. Mais uma partida do Campeonato verdadeiramente Nacional.

O jogo foi muito bem disputado. Entrou disposto a comandar o Caldas RC, ainda que com baixas importantes, por motivos de lesão de última hora e afazeres profissionais e académicos. Procurou sempre responder o CRAV, também sem apresentar toda a sua melhor equipa.

A jogar a favor do vento, os médios Pelicanos lançaram o jogo. Aos 7 minutos o primeiro ensaio pelo 3ª linha centro Filipe Gil, a concluir um “pick & go” nos 5 metros do CRAV após conquista na formação ordenada. A transformação não resultou.

Continuou o domínio Pelicano, e só através de faltas merecedoras de penalidade iam impedindo os Arcozenses o toque de meta. Aproveitou o chutador Tommy Lamboglia para, aos 10 e 16 e minutos para concretizar aos postes, elevando o marcador.

1º Quarto: Caldas RC – 11 / CRAV – 0.

Desempenho de grande nível do Caldas RC. Movimentações rápidas sem mácula, pontapés táticos astuciosos a conquistar território e defesa compenetrada e eficaz.

Mantiveram os Pelicanos a sua toada atacante. Aos 22 minutos uma nova penalidade tentada aos postes, a cerca de 45 metros foi convertida pelo inevitável Tommy Lamboglia.

Não abrandou o Caldas e, aos 26 minutos uma jogada que envolveu toda a linha atrasada dos Pelicanos um segundo ensaio foi concretizado, à ponta, pelo “fly-half” Tommy Lamboglia.

Sem sair do meio terreno Arcozense, o Caldas beneficiou aos 39 minutos de nova penalidade, novamente convertida aos postes, colocando o resultado em 22 -0.

Num descuido de concentração, os Pelicanos consentiram, na bola de jogo da 1ªparte, um ensaio convertido. O CRAV mostrava porque terminou a Fase Regular em primeiro lugar.

Ao intervalo: Caldas RC – 22 (2E, 4P) / CRAV – 7 (1E, 1T).

Desempenho eficiente e tecnicamente irrepreensível do Caldas. Reação difícil do CRAV, só com expressão nos momentos finais. Partida contudo longe de decidida, já que o CRAV, líder da Divisão não é uma equipa qualquer, coletiva e individualmente.

A jogar agora a favor do vento e motivado pelo ensaio obtido, o CRAV veio com tudo para cima do adversário, jogando a partir da sua forte linha avançada compenetrações poderosas e rápidas.

Logo aos 43 minutos um segundo ensaio, bem convertido, relançou o resultado.

Mantiveram a pressão os Arcozenses, mas uma defesa tenaz dos Pelicanos, procurando sempre sair a jogar a partir da sua terceira linha para rápidos ataques, manteve o equilíbrio na partida e no resultado.

3º Quarto: Caldas RC – 22 / CRAV – 14.

Os últimos 20 minutos adivinhavam-se intensos.

O CRAV pressionou com todo o seu poder atacante. O Caldas respondeu com uma defesa heroica, jogadores sempre unidos e procurando lançar contra golpes, quer a partir de jogadas bem encadeadas dos seus avançados, quer explorando as entradas dos 3 de trás.

Aos 72 minutos uma dessas iniciativas só foi parada com recurso à falta. O pé de Tommy Lamboglia novamente em ação e uma nova penalidade convertida aos postes colocou a diferença no marcador nuns confortáveis 11 pontos.

Até final o CRAV não desistiu. E foi recompensado, na bola de jogo, com o terceiro toque de meta, convertido.

Resultado Final: Caldas RC – 25 (2E, 5P) / CRAV – 21 (3E, 3T).

Resultado justo, num encontro muito equilibrado.

Primeira parte totalmente dominada pelo Caldas RC. Resposta do CRAV no segundo tempo, aguentaram os Pelicanos pondo em campo tudo o que tinham.

Arbitragem competente de Filipa Jales.

A Fase Regular do CN2 termina com o CRAV em primeiro lugar, fruto de maior número de pontos bónus, e o Caldas RC em segundo lugar, com 13 vitórias e apenas 3 derrotas.

Época a todos os títulos notável da Equipa Pelicana. Num ano em que o Clube conseguiu equilibrar as suas contas, o desempenho desportivo foi e continuará a ser um forte estímulo para o elenco diretivo. Um Clube de Rugby é, fundamentalmente, feito de resultados das suas equipas de competição e de retorno à sociedade como retribuição dos apoios recebidos.

As meias-finais disputam-se, assim, nas Caldas da Rainha, com o Caldas RC a receber o CR S. Miguel, e em Arcos de Valdevez, com o CRAV a receber o Guimarães RUFC.

Alinharam pelo Caldas RC: Alexandre Vieira, Cláudio França, David Esteves, Diogo Vasconcelos, Dorin Plameadala, Filipe Gil (1E), Gonçalo Sampaio, Gonçalo Silva, Leonardo Ferreira, Luis Gaspar, Pedro Madaleno, Ricardo Marques (Cap.), Rui Santos, Salvador Cambournac, Sebastião Vasconcelos, Tomás Lamboglia (1E, 5P), Tomas Melo, Wilson Bento.

Treinador: Patrício Lamboglia

Diretor de Equipa: António Ferreira Marques

Delegado ao Jogo: António Ferreira Marques

Fisioterapeuta: Erica Balseiro/Physioclem

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha e aos nossos patrocinadores.

 

Partilhar...Share on Facebook