8ª Jornada CN 1ª Divisão Caldas RC – 31 (3E, 2T, 4P) vs RC S. Miguel – 19 (3E, 2T)

8ª Jornada CN 1ª Divisão Seniores

Caldas RC vence e convence frente ao RC S. Miguel

As duas equipas apresentaram-se com diferentes estados de espírito à partida. O Caldas vindo de uma série de 3 derrotas e com vários jogadores sem estarem a 100% na sua condição física, o que os vinham a impedir de treinar, o S. Miguel a realizar uma época muito positiva e a espreitar um lugar no top 4, que garante o play-off.

A tarde apresentou-se com algum vento, o “pitch” em boas condições ainda que pesado fruto de chuvas recentes. Bancadas compostas com público afeto aos Pelicanos.

Cientes que esta partida seria uma prova de fogo ao seu Rugby, que não tem tido nos resultados a qualidade que se lhe reconhece, os Pelicanos entraram muito concentrados e com grande sentido de equipa. A provar esta atitude, logo no minuto inicial, uma conquista em alinhamento a oval a ser trocada rápida pelas linhas atrasadas e o primeiro toque de meta a surgir por “Tommy” Lamboglia, entre os postes. Conversão fácil pelo “fly-half” Caldense.

Empolgados os visitados instalaram várias jogadas rápidas à mão, sempre pela sua linha de ¾’s criando dificuldades à defesa Bulldog.

Aos 6 minutos uma penalidade cometida pelo S. Miguel, foi tentada aos postes por “Tommy” Lamboglia. Pontapé distante mas conversão com êxito, passando o marcador para 10-0.

Após a surpresa inicial os Miguelistas reagiram, impuseram o seu jogo de avançados, que o Caldas apenas contrariava com recurso à falta. Aos 13 minutos, e na sequência de uma destas faltas os Bulldogs jogaram a penalidade rápida, à mão, pelo poderoso pilar Robert Delai que concretizou o ensaio. Pontapé de transformação com êxito pelo médio de abertura, e capitão, André Lemos.

Não se perturbou o Caldas, a jogar com muita cabeça, e no reatamento conquistou uma penalidade, por jogo faltoso no solo, jogada à “touch”. Conquistado o alinhamento a oval foi exemplarmente jogada a toda a largura do terreno, passando por todos ¾’s Pelicanos até chegar ao ponta Diogo Vasconcelos que concretizou o ensaio. Desta feita o pontapé de transformação não surtiu efeito.

O S. Miguel insistiu no jogo de avançados e, aos 17 minutos beneficiou de uma penalidade, tentada aos postes, mas sem resultado.

1º Quarto: Caldas RC – 15 CR S. Miguel – 7.

Dois estilos de jogo distintos, vantagem para o Rugby académico do Caldas.

Aos 20 minutos as faltas sucessivas que os Pelicanos iam concedendo foram penalizadas com um “cartão amarelo” e 10 minutos no ”sin bin” ao 2ª linha Pelicano, Bruno Martins.

Na sequência de uma destas infrações, aos 21 minutos o poder do “pack” avançado do S. Miguel fez-se sentir. Jogada rápida dos Bulldogs e entrada para ensaio do pilar Leandro Nunes. Conversão de André Lemos.

Com o marcador na diferença de apenas 1 ponto os Miguelistas insistiram no jogo de avançados. Foi a vez de os Pelicanos responderem com uma defesa corajosa e muito eficaz, equipa unida, todos os jogadores a colocarem tudo na luta das formações espontâneas. E sempre que recuperavam a bola, o sentido de contra-ataque estava sempre presente, com iniciativas do “três de trás” com a incorporação do “arrier” Claudio França, a causar desequilíbrios.

Adivinhava-se o ensaio, pelo menos em três ocasiões esteve eminente, mas os Bulldogs também defenderam com tudo.

Finalmente e na última jogada da primeira metade não foi possível ao S. Miguel deter uma jogada de compêndio dos Pelicanos, pelo centro do terreno. O toque de meta foi concretizado por “Oky” D’Amato e “Tommy” Lamboglia encarregou-se da transformação.

1ª Parte: Caldas RC 22pts (3E, 2T, 1P) / RC S. Miguel 14pts (2E, 2T).

O resultado premiava o melhor Rugby do Caldas a atacar e a união e coragem de toda a equipa a defender. O S. Miguel concentrou todo o seu jogo nos avançados e, sempre que conseguiu causar problemas na defesa adversária, acabou por concretizar. A segunda metade antevia um jogo em aberto, residindo a questão na capacidade dos Pelicanos resistirem ao maior poder físico dos Bulldogs.

A partida reiniciou-se nos mesmos moldes. O S. Miguel a pressionar sempre pelos avançados, o Caldas a defender com muita eficácia, e sem cometer as faltas que penalizaram na primeira metade, e a procurar colocar a oval no meio campo adversário, sempre que a recuperava, através de pontapés táticos do seu médio de abertura a solicitar os pontas.

Aos 45 minutos, uma falta no “breakdown”, cometida pelos Bulldogs, foi aproveitada por “Tommy” Lamboglia, que com um bom pontapé elevou a diferença do “score” para 11 pontos.

Fases sucessivas dos “forwards” Miguelistas – cerca dos 50 minutos os visitantes encadearam perto de 15 fases de ataque, foram sendo travadas com placagens efetivas dos Caldenses. Sentindo dificuldades nestas iniciativas o S. Miguel passou a cometer muitas faltas nos “rucks”, aproveitadas pelo Caldas para colocar o jogo no meio campo adversário. Só os pouco eficazes alinhamentos, domínio onde não estiveram bem, ia impedindo os Pelicanos de criar maiores dificuldades.

3º Quarto: Caldas 25pts / CR S. Miguel 14pts.

A defesa Caldense a impor-se. O S. Miguel sem alternativas ao jogo pelos avançados.

A jogar com Jonathan Nolan no lugar de “Tommy” Lamboglia, o Caldas manteve a cabeça fria e controlou o jogo no último quarto.

Sempre que a oportunidade surgia o Caldas iniciava contra-ataques cirúrgicos protagonizados pelos habituais médios e centros com a entrada decidida do 15, apenas parados com recurso à falta. E em duas dessas ocasiões, aos 68 e aos 73 minutos, Jonathan Nolan não hesitou e com magníficos pontapés elevou a contagem para 31 – 14, resolvendo a partida.

Não baixaram os braços os Bulldogs, o que se espera de uma equipa de Rugby com brio, e, na bola de jogo conseguiram chegar a um terceiro ensaio, pelo suplente Rui Freitas, o que veio premiar o empenho que sempre puseram no campo.

Resultado Final: Caldas RC 31pts (3E, 2T, 4P) / CR S. Miguel 19pts (3E, 2T).

Resultado que não oferece contestação. Ganhou o Caldas RC, a equipa que jogou melhor Rugby e que assentou na união, capacidade de sofrer a defender e discernimento nas melhores opções a tomar a base para a vitória.

Os Bulldogs lutaram e nunca se deram por vencido, tendo limitado o seu jogo às iniciativas do seu “pack”, mais pesado e poderoso, mas que encontrou pela frente uns Pelicanos determinados e inultrapassáveis.

O aplauso final da bancada Pelicana a festejar o seu “Dia de Natal” foi um justo prémio para toda a Equipa Caldense.

Arbitragem competente de Bruno Rodrigues.

Alinharam pelo Caldas RC: Alexandre Vieira, Bruno Martins, Caetano Perez, Claudio França, David Esteves, Diogo Vasconcelos (1E), Filipe Gil, Gonçalo Sampaio, Gonçalo Silva, Jonathan Nolan (2P), Leonardo Ferreira, Luís Carvalho, Luís Gaspar, Mariano Farias, Miguel Freitas, Oscar d’Amato (1E), Ricardo Marques (Cap.), Rui Santos, Salvador Cambournac, Tiago Gaspar, Tomás Lamboglia (1E, 2T, 2P), Tomás Melo, Wilson Bento.
Treinador: Patrício Lamboglia
Diretor de Equipa: Francisco Azinheira
Fisioterapeuta: Érica Balseiro/Physioclem.

O nosso agradecimento ao apoio da CM Caldas da Rainha e aos nossos patrocinadores.

Partilhar...Share on Facebook
Facebook