7ª Jornada CN Grupo B Sub18 Caldas RC – 24 (4E, 2T) vs Belenenses Rugby B – 8 (1E, 1P)

7ª Jornada CN Grupo B, escalão Sub18

Vitória convincente do Caldas RC frente ao Belenenses Rugby B

Mais de 2 meses passados sobre a última jornada disputada para o CN Grupo B, a equipa Pelicana Sub18, voltou a disfrutar da possibilidade de jogar em competição. A desistência de equipas, um modelo e calendário completamente desajustado à realidade do Rugby Português nos escalões juvenis, privilegiando as equipas da capital e esquecendo todo o universo de clubes pelo país fora têm conduzido a esta situação verdadeiramente invulgar de os jogadores destes escalões não poderem testar aquilo a que se entrega – jogar Rugby.

Numa manhã fria de Inverno, mas soalheira, com o vento habitual que quase sempre se faz sentir no Complexo Desportivo das Caldas da Rainha, o público maioritariamente jovem, o que se saúda, assistiu a um muito agradável partida de Rugby.

A equipa Caldense que sempre proporciona entretenimento tinha a esperança de manter a boa prestação que tem evidenciado ao longo da época, defrontando um dos clubes mais fortes de Lisboa, mesmo que com a sua equipa secundária.

O Belenenses iniciou o jogo com um mau pontapé de saída dando a posse ao Caldas. Primeiras escaramuças com ambos os conjuntos numa fase de estudo mútuo. Mas, o médio de formação, e capitão de equipa Pelicano, Rodrigo “Pulga” Henriques cedo imprimiu velocidade ao jogo, com os seus passes rápidos movimentando a linha avançada.

Esses passes rápidos tiveram a compensação no 6º minuto, com uma rápida jogada do pack avançado Caldense a ser concretizado, à ponta, pelo nº 8 Afonso Montargil. O pontapé de conversão difícil, e contra o vento, não resultou.

Dois minutos depois, outro bom movimento com a oval a circular à mão, mais de 50 metros, resulta em novo ensaio, no canto direito, pelo ¾ ponta João Salvador. De novo pontapé de transformação difícil, sem êxito.

Nesta fase, o Belenenses esteve principalmente na defensiva, sem oportunidade de executar movimentos ofensivos decisivos.

O Caldas não aproveitou nova oportunidade de marcar aos 16 minutos, ao perder a oval no contacto.

E de novo ao 19º minuto o sempre muito dinâmico médio de formação Pelicano rompeu a linha de defesa azul, mas não teve o apoio necessário, gorando-se a jogada.

1º Quarto: Caldas RC 10 pts Belenenses Rugby 0pts.

Um Caldas a jogar contra o vento superior em todas as facetas do jogo. Rodrigo “Pulga” Henriques foi a chave do jogo Pelicano, lançando vários movimentos inteligentes de ataque através de passes precisos e rápidos. Alguns erros de manuseamento cometidos, mas no geral um começo impressionante.

O Belenenses não teve muita posse e encontrou grandes dificuldades para penetrar na defesa do Caldas.

O Belenenses teve uma boa oportunidade de pontuar, muito cedo no 2º quarto, mas uma penalidade tentada aos postes, de grande distância, não resultou.

Outra penalidade no 25º minuto teve o mesmo resultado.

A equipa azul recompôs-se e passou a construir mais fases, tornando-se o jogo mais intenso e competitivo. Várias infrações no contacto e no jogo no chão passaram a ser uma ocorrência comum. O Belenenses, ganhando muitas penalidades, utilizava o pontapé do seu médio de abertura para ganhar linhas de ataque, mas sem nenhum efeito pratico, face à bem montada e agressiva defesa Pelicana.

O Caldas sempre à procura do jogo à mão, em todas as oportunidades em que recuperava a oval, mesmo a partir da sua própria linha de 22 metros. Este tipo de jogo requer passes precisos o que nem sempre foi conseguido. Aos 32 minutos, nova falta dos Caldenses e o Belenenses abre o seu placard com um pontapé de penalidade bem conseguido. Algumas das jogadas do Caldas foram impressionantes, sempre procurando atacar e arriscar. Algumas vezes funciona, outras vezes não.

1ª Parte: Caldas RC – 10 (2E) vs Belenenses Rugby B – 3 (1P).

O Caldas dominou dominantes na primeira metade desta 1ª parte da metade, produzindo algumas jogadas emocionantes. O Belenenses conseguiu voltar ao jogo, muito ajudado pelos erros dos Caldenses no jogo no solo. No entanto, o Caldas mostrou-se a equipa com maior qualidade técnica, e com a vantagem do vento no segundo tempo, esperava-se o tradicional jogo Pelicano de ataque “com a bola na mão”.

A segunda metade com os dois lados a lutar com tudo pela posse. Aos 37 minutos, o Caldas obtém a posse de bola e o centro Carlos Prieto, poderoso, ultrapassou toda a defesa adversária concretizando o terceiro toque de meta Pelicano. Conversão eficaz de Afonso Pecegueiro.

O Belenenses reagiu e teve um período de posse continuada, finalmente compensada, aos 47 minutos. Uma boa conquista na formação ordenada, e o seu nº 9 iludiu com maestria a defesa do Caldas marcando um belo ensaio. A conversão não resultou.

O Belenenses trabalhou duro para voltar ao jogo. Conquistando muitas bolas no contato, obrigava o Caldas a defender. Os Pelicanos precisavam de não cometer erros e retornar ao seu plano de jogo fluente.

3º Quarto: Caldas RC 17 pts Belenenses Rugby 8 pts.

O Caldas entrou muito bem neste terceiro período, mas o Belenenses reagiu com empenho, relançando a partida. Esperava-se um último quarto muito interessante.

No minuto 52, a partida foi interrompida para assistência a um jogador azul lesionado. O jogo era nesta fase muito competitivo.

Aos 60 minutos, e numa excelente jogada coletiva, de novo o centro Pelicano Carlos a romper a defesa do Belenenses e a concretizar sob os postes. Transformação fácil de Afonso Pecegueiro.

O Caldas voltou a jogar rápido e ao largo, e teve a recompensa. O Caldas confiante tomou conta do jogo, mas os azuis do restelo não desistiram. Nos últimos momentos da partida, os azuis instalaram-se nos 22 metros Pelicanos e pressionaram a linha do Caldas, obrigando a uma defesa com tudo.

Já o tempo de compensação, o Caldas viu dois jogadores no “sin bin”, por faltas sucessivas na formação ordenada. Só com 13 jogadores, os Pelicanos não cederam e obtiveram a merecida vitória com ponto bónus.

Resultado Final: Caldas RC – 24 (4E, 2T) vs Belenenses Rugby B – 8 (1E, 1P).

Partida com momentos de bom Rugby, em todos os jogadores das duas equipas deram o máximo do seu esforço. O Caldas teve algumas jogadas emocionantes, bem comandado pelo seu capitão, Rodrigo “Pulga” Henriques, e com conclusões eficientes, em particular através do centro Carlos Prieto. O seu poder pagou dividendos para Caldas. O jogo do Caldas não foi isento de erros – mais de 2 meses sem competir teve certamente alguma influência, bem como a ausência de alguns titulares, mas uma superior capacidade técnica em áreas-chave foi a chave para o triunfo.

O Belenenses provou ser um adversário valioso, lutando sempre, mas uma menos conseguida capacidade de finalização em certas ocasiões, foi um fator decisivo.

Arbitragem competente de Rui Gomes, ativo e sempre em cima das jogadas.

No próximo domingo, 27 de Janeiro, o Caldas RC defronta a equipa do Belas RC/Sporting Rugby, pelas 11:00 h, nas Caldas da Rainha, para a 9ª e última Jornada desta fase de qualificação CN Grupo B.

Alinharam pelo Caldas RC:

Afonso Montargil (1E), Afonso Oliveira, Afonso Pecegueiro (2T), António Maltez, Carlos Prieto (2E), Diogo Vieira, Francisco Oliveira, Gonçalo Cordeiro, João Salvador (1E), José Contreras, Manuel Carriço, Rafael Marcos, Rodrigo Henriques (Cap.), Ricardo Correia, Ricardo Lopes, Rodrigo Ribeiro, Rodrigo Santos, Salvador Palhoto.

Treinador: Patrício Lamboglia

Diretor de Equipa: António Maltez

Fisioterapeuta: Rodrigo Santos/Physioclem.

Os nossos agradecimentos ao apoio da CM Caldas da Rainha e aos nossos patrocinadores.

Partilhar...Share on Facebook
Facebook